5ta Saroco, o melhor hotel ecológico em Bogotá

Se você está viajando por terras colombianas e quer fazer a sua visita valer a pena, precisa conhecer o melhor hotel ecológico em Bogotá, ou melhor, em sua cidade vizinha chamada Silvânia. Apenas com 1h30 de carro você chegará no 5ta Saroco, hotel que inspirou as políticas de turismo sustentável na Colômbia.

Te garanto que nessa visita você terá dias de tranquilidade na piscina natural, cachoeira, caminhada na mata, comida orgânica e muito aprendizado sobre uma vida ecológica! É um passeio ideal para os eco viajantes que amam descobrir projetos de impacto positivo por onde passam.

Porque vale a pena conhecer Silvânia, cidade vizinha de Bogotá

Silvânia, que faz parte da província de Sumapaz, o maior e mais importante páramo do mundo, é a cidade em que os bogotanos costumam fugir quando querem um descanso da cidade. 

Nota: Um páramo é um ecossistema encontrado em montanhas altas e que, geralmente, possuem grande capacidade de armazenar água doce e abastecer as cidades.

A primeira revolução agrária da Colômbia aconteceu em Silvânia. O território foi tanto marcado por conflitos armados, como também preservou parte da sua natureza, coisa que é comum de ser ver na Colômbia nos locais onde a guerrilha proibia a derrubada de árvores.

Hoje na pequena cidade de Silvania, pertinho de Bogotá, você encontrará cachoeiras, camponeses tradicionais, refúgios naturais e ecoturismo como no hotel 5ta Saroco, que certamente te fará voltar para casa cheio de novas ideias sustentáveis.

5ta Saroco: o melhor destino de ecoturismo e turismo sustentável na Colômbia

Vista do 5ta Saroco, hotel ecológico, da varanda do meu quarto.

Para você que é um viajante responsável, assim como eu procuro ser, sabe o quanto é difícil encontrarmos hospedagem ecológicas durante a nossa viagem. Não basta apenas praticar ecoturismo estando em contato com a natureza, precisamos saber fazer turismo sustentável tornando as viagens um fator de impacto positivo no mundo.

O 5ta Saroco é esse exemplo de turismo sustentável, que impacta não apenas a vida do viajante, mas sim de toda a comunidade e natureza em seu entorno. E não sou apenas eu quem estou dizendo, mas sim os seus 21 prêmios com reconhecimento social, ambiental, cultural, acadêmico e empresarial.

Neste trecho eu quero te contar a história e iniciativas deste ecolodge. Recomendo a leitura para aquelas pessoas que querem conhecer histórias de transformação, regeneração e se inspirar para levar esse conhecimento adiante. Mais abaixo voltarei com as dicas práticas para chegar no local.

5ta Saroco, quando a cura pessoal se torna um processo regenerativo comunitário

A história do 5ta Saroco pode até parecer um filme, mas ela é real e ilustra muito bem o quanto a nossa cura pessoal pode ser uma potente transformação interna, mudando para sempre a forma que vivemos.

Edwing, o fundador do hotel junto com sua esposa Andrea, em 2010 passou por uma daquelas provações da vida, que ele descreveu como duras e bonitas:

  1. Processo de separação em seu antigo relacionamento;
  2. Problema com a empresa e sócios;
  3. Um câncer hepático autoimune em estado avançado onde já havia retirado o rim, fígado e parte do intestino.

Naquela altura da sua doença e sem muitas esperanças para o futuro, especialmente depois que o médico disse que já não adiantava ele voltar para o tratamento, Edwing não sabia mais o que fazer ou para onde ir, a não ser voltar para o antigo casarão de 118 anos que ele havia comprado há alguns anos atrás para realizar o sonho de viver no campo.

Mas, entre tantas coisas difíceis, a gravidez inesperada de sua antiga companheira e a vinda de um novo filho fez com que Edwing conseguisse acender a última chama que estava ali para voltar a viver e lutar contra o seu câncer.

Ele, que é de uma família com raízes indígenas e passou grande parte da sua infância perto da natureza, já havia perdido todo o conhecimento ancestral a ponto de achar que tudo na natureza era apenas um grande verde.

Com a sua volta para Silvânia, região com camponeses tradicionais, começou o processo de resgatar e aprender novos conhecimentos com as mulheres sábias da região que sabiam as propriedades medicinais de diversas plantas.

Para se recuperar de seu câncer hepático autoimune, Edwing começou uma série de tratamento com plantas locais e com cannabis, fazendo chás e cosméticos medicinais. Quem o acompanhava e fazia as receitas era Andrea, que hoje é a sua esposa, mas na época era um mentoranda de mestrado que se tornou uma amiga próxima.

Laboratório onde a Andrea transforma plantas medicinais em cosméticos

À medida que eles faziam esses chás, a cura começou a vir muito rápido. Amigos médicos se espantavam com os resultados e várias pessoas que iam visitá-lo queriam tanto os produtos medicinais, como a oportunidade de passar alguns dias aproveitando o poder regenerativo da natureza.

Corpo doente, território doente

Durante o seu processo de cura Edwing e Andrea perceberam que não era apenas ele quem estava doente, mas sim o território em que habitavam. O crescimento da população de Silvânia, sem a educação ambiental correta, trouxe uma série de impactos negativos para a região:

  • rio poluído, pois na parte alta jogavam químicos perigosos, agrotóxico, animais mortos e até colchão;
  • uso de agrotóxicos nas plantações que adoecia os camponeses e a natureza;
  • jovens que migravam querendo escapar da dura vida do campo.

O território estava socialmente fracassado, culturalmente a história estava perdida e ambientalmente eles estavam acabados. Ele doente, o território doente. 

O casal entendeu que ali estava um propósito de vida, algo que guiou todo o início do projeto e que continua guiando até hoje. No processo de cura do corpo físico e do território nasce o 5ta Saroco para receber as pessoas que queriam acompanhar de perto esse processo.

Turismo regenerativo mudando a forma de coexistir com a natureza

Quando o 5ta Saroco começou a se materializar como um projeto de turismo ecológico, sustentável e regenerativo, Edwing e Andrea queriam que fosse totalmente baseado nos conhecimentos de permacultura, biodinâmica e regeneração que eles vinham aprendendo com o passar  dos anos.

Este é o desenho inicial e que guia até hoje os projetos desse ecolodge

O turismo virou quase que um pretexto para que as pessoas pudessem visitar o espaço, mudar a sua forma de ver o território e a si mesmo.

“Nós começamos a sonhar juntos. Se as pessoas querem vir, então deixem elas virem” me contou Edwing. Eles começaram a arrumar a fazenda, os quartos e participar de editais arrecadando incentivos para materializar o projeto. 

O hotel começou a crescer, mas queriam crescer bem, sustentável: com energia sustentável, entrada de água bem feita, saída de água bem feita, regenerar o bosque que estava degradado, mapear as fossas hidrográficas, fauna e flora, entre outras ações.

O planejamento e mapeamento foi tão completo que atualmente esse projeto virou o modelo de trabalho em turismo sustentável para todo o Sumapaz, com vinte municípios, três estados e 3 milhões de pessoas. 

A partir daí o espaço se tornou algo maior do que uma hospedagem. As pessoas começaram a vir para entender e aprender. O 5ta Saroco se tornou um piloto de permacultura, bioconstrução, proteção da flora e fauna, articulando três atores importantes: academia, a sociedade civil e instituições.

Hoje seu trabalho não se limita apenas ao hotel, mas cresceu com uma associação composta por 38 famílias que ajudam no desenvolvimento sustentável da região. 

Dentre as iniciativas estão negócios verdes, agro ecoturismo, produção verde com cosméticos e alimentos, parceria com instituições para tratamentos ao câncer e doenças autoimunes baseado na experiência de Edwing, projetos de pesquisa e educação.

Ações sustentáveis e regenerativas que você encontrará neste hotel

Visitar o 5ta Saroco é mais do que estar em contato com a natureza, é entender como podemos criar espaços com um impacto positivo para o meio ambiente e sociedade. Essas são algumas das ações incríveis que eu encontrei lá e que você pode replicar em seu hotel ecológico ou até sua casa de campo sustentável:

Articulação comunitária e educação 

Entendendo que somos interdependentes e que para a proteção da área era importante mobilizar a comunidade, Edwing e Andrea se tornaram articuladores e educadores junto com outros moradores da região.

Uma das ações foi a sensibilização da comunidade sobre a necessidade de cuidados ambientais e proteção do território. Edwing diz que se você não sabe o que tem, não cuida. Eles começaram então um trabalho de identificação do meio e educação da comunidade, falando das espécies de árvores, de animais, para o que cada um deles serve.

Um dos exemplos interessantes foi o caso das serpentes. Ali eles possuem cerca de 78 espécies, das quais apenas três são venenosas, mas as pessoas acabam matando todas por medo. Através de cursos e workshops eles começaram a mostrar a riqueza do território.

Gestão de resíduos sólidos

Minhocas felizes dentro da compostagem do hotel

Para os resíduos sólidos orgânicos o 5ta Saroco tem o sistema de compostagem, onde o adubo é usado para a sua produção interna de alimentos.

A fim de evitar lixo eles também pedem para que os hóspedes evitem sacolas plásticas, produtos industrializados e que se comprometam a fazer a separação correta dos resíduos nas lixeiras de coleta seletiva.

Para aqueles materiais que não houve forma de descartar corretamente, eles buscam dar utilidade na bioconstrução. Um exemplo que achei muito interessante foi o uso que eles deram para as fraldas descartáveis, utilizando o gel misturado com cimento para fortalecer as bases das construções.

Gestão de resíduos líquidos

Sistema sustentável de tratamento de a?gua. Foto: Renata G Ferreira

Toda a água do hotel possui tratamento interno e nada é despejado no rio. Para isso eles possuem especialmente dois sistemas:

  1. Poço séptico, onde todo o lixiviado vai até uma zona de plantas como a citronela ou o chuchu, que ajudam a tratar o resíduo e ainda segurar a montanha com suas raízes.
  2. Águas cinzas e negras que passam para uma central de tratamento com 150 metros, usando plantas e pedras como sistema de filtração. As águas passam por essa filtragem natural, são bombeadas para um poço onde os peixes e o aguapé (eichhornia crassipes) ajudam na limpeza e voltam para uso no próprio hotel.
    Por esse processo é que o hotel pede aos turistas que usem cosméticos naturais, para evitar que produtos demasiadamente químicos contaminem a água.

Regeneração de áreas degradadas

Parte do bosque que está sendo regenerado. Foto: Daniel Gonzalez

Muitos dos bosques das regiões já estavam sendo tombados para o cultivo de eucaliptos ou de gado. Junto com a associação de moradores eles pressionaram e articularam poderes públicos como o CAR (órgão responsável pelo meio-ambiente), polícia, exército, Ministério do Meio-Ambiente, Ministério da Agricultura, a fazerem o plantio que cada um desses poderes são obrigados a cumprir pelas metas do meio-ambiente. 

O processo ali é também regenerativo e não apenas um reflorestamento. Você sabe qual é a diferença?

Enquanto no reflorestamento são plantadas muitas mudas que precisarão de sorte para nascer, no processo regenerativo eles limpam as áreas e preparam o solo para que as próprias árvores que já estão no local possam se multiplicar.

Com a regeneração dessas áreas o 5ta Saroco tem presenciado o retorno de algumas espécies do local, como as lontras ou bicho-preguiça que gostam de aparecer na orla do rio em dias de chuva.

Mapeamento, estudo e uso da biodiversidade

Reconhecendo as espécies e suas propriedades

Todo esse trabalho de cuidados com a natureza que eles fazem é pautado no conhecimento sobre a biodiversidade local. A ideia do 5ta Saroco é que eles possam usar os processos naturais para regenerar a área.

Para isso eles entendem a cooperação que há entre espécies na natureza e usam alguns desses processos para acelerar a regeneração e manutenção da área. Alguns exemplos de cooperação da biodiversidade que eles aplicam na prática:

  • usar árvores que atraem pássaros para fazer uma cama de sementes natural;
  • usar árvores que dão alimento para que os martim-pescadores (pássaro) não pesquem os peixes do lago de tratamento d’água.
  • resgatar bicho-preguiça que frequentemente se eletrocutam nos fios da estrada e, no processo de reintegração, aproveitar para regenerar os bosques de embaúba (Cecropia pachystachya).
    A embaúba é uma espécie de árvore onde o bicho-preguiça adora descansar e comer. Através do processo de comer as sementes nas folhas, fermentar no intestino e defecar, esse animalzinho ajuda na reprodução da árvore.
  • identificar os nutrientes de plantas consideradas daninhas e usar a poda correta para alimentar o solo.

Esses são apenas alguns dos inúmeros exemplos de uso da biodiversidade, muito baseado nos pressupostos da permacultura, onde este hotel ecológico está conseguindo fazer um trabalho regenerativo e de conservação incrível.

Bioconstrução e construção sustentável

As molduras da janela são feita de reaproveitamento de chapa de alumínio que seria usada para fazer latinhas de cerveja. Foto: Daniel Gonzalez

Outro ponto interessante do 5ta Saroco é a experimentação e soluções para a bioconstrução e construção sustentável. Ali vi algumas alternativas criativas que ainda não havia visto em outros hotéis ou ecovilas. Olha só as técnicas e soluções que mais me chamaram atenção:

  • Uso de estruturas de bambu para conter barrancos de terra. Eles colocam três espécies de bambu na estrutura para conter a terra: taquaruçu (Guadua angustifolia), bambu-trepador (Chusquea capituliflora) e bambu. Conforme as espécies vão crescendo e criando raízes, elas arrebentam a estrutura e o espaço se torna um bambuzal.
  • Para servir de moldura e enfeitar algumas das janelas da sala comum, eles usaram chapas de alumínio que são usadas para produção de lata de cerveja, mas que foram estampadas erradas e descartadas. Edwing disse que na Colômbia é comum encontrá-las com sapateiros que usam o material para seu trabalho.
  • Mistura de gel de fralda descartável com cimento para fortalecer a base da bioconstrução.

Energia Solar

Parte da energia do hotel é fornecida pelo sistema de energia solar que abastece o chuveiro, luz, eletrodomésticos, motores da piscina e de bombeamento de água de tratamento, entre outros.

Produtos orgânicos e de produção local

Aqui acontece a venda de produtos do hotel e da comunidade. Foto: Daniel Gonzalez

Dentro do próprio hotel o viajante vai encontrar hortas orgânicas e cultivos agroflorestais de espécies nativas e também do café. Grande parte da produção vai para o consumo dos próprios hóspedes e da família de Edwing e Andrea que moram ali, o restante é encaminhado para a associação ou vendida em uma feira orgânica.

Além do seu próprio cultivo, eles trabalham com outros moradores e produtores locais, tanto para ser abastecido com alimentos, como para a matéria prima para produtos naturais que eles fazem ali: repelente, pomadas, vinho de frutas ou café.

Como se hospedar e conhecer o ecolodge

O 5ta Saroco possui três opções de hospedagem para o viajante sustentável.

Estadia ecológica para nômades digitais

Opção de hospedagem mensal para nômades digitais. Foto: Daniel Gonzalez

Se você é nômade digital, está viajando pela Colômbia e precisa de uma boa internet, ali no 5ta Saroco você terá tudo o que precisa: uma experiência única, tranquilidade, contato com a natureza, boa comida, conforto e internet.

Eles possuem a estadia ecológica Colibri Rural, onde você pode alugar uma pequena casa com 2 quartos, banheiro, pequena sala e cozinha entre 1 a 3 meses. Está incluído:

  • água;
  • energia;
  • wi-fi
  • uso das instalações do hotel, como a piscina, o rio, trilhas, espaço para fazer fogueira, etc.

Hospedagem + experiência de turismo sustentável

Experiência agroecológica no 5ta Saroco. Foto: Daniel Gonzalez

Se sua intenção é ir além do contato da natureza e você busca uma experiência completa onde você poderá vivenciar e aprender mais sobre os processos ecológicos dali, o 5ta Saroco disponibiliza pacotes de hospedagem com experiência de turismo sustentável.

As experiências que se destacam são:

  • Educação ambiental, onde você fará um passeio completo com Edwing e/ou Andrea entendendo todas as iniciativas e aprendendo mais sobre uma vida sustentável. Esse passeio é feito conforme cada viajante, tendo a possibilidade de direcionar o foco que você quer.
  • Preparo do café, da colheita até a xícara, que é uma grande aula divertida e deliciosa com a Andrea, que nos conta sobre a produção deles, as propriedades do café e a forma correta de degustar um café de qualidade. Você vai poder torrar o grão, moer e degustar.

No plano de 2 dias e 1 noite você poderá ter as duas experiências com tudo incluso, até mesmo a alimentação.

Apenas hospedagem

Opção de quarto simples no ecolodge.

Também é possível ir para lá apenas para se hospedar, caminhar livremente pelo espaço e aproveitar as áreas comuns. Nesse caso recomendo fortemente que já peçam as refeições inclusas porque não há restaurante perto, ou que pegue o quarto com cozinha e leve o que quer preparar.

Tudo o que você precisa saber antes de visitar um ecolodge

Ecolodge, ecohotel, hotel sustentável, hotel ecológico. Independente da forma que você quer chamar a hospedagem, é importante saber que todos esses nomes levam uma coisa em comum, o cuidado com a natureza.

É muito importante lembrar que você está indo para uma área natural, com uma rica fauna e flora. Por isso:

  • Dê sempre preferência para produtos mais naturais, dessa forma você não agride o meio-ambiente. Desde o shampoo, sabonete, até o repelente ou protetor solar.
    Se você não tiver esses produtos, fale com o hotel antes, eles possuem algumas alternativas de fabricação própria para te oferecer ou podem te indicar onde comprar.
  • Não leve lixo plástico ou que não possa ser descartado. Se precisar levar, lembre de carregar com você de volta até onde possa fazer o descarte correto.

Para sua visita ao 5ta Saroco você pode levar:

  • roupa de banho;
  • roupa de frio porque apesar de ser em uma região quente, eles estão na montanha e cercado de natureza, o que faz o clima ficar mais fresco ou até frio;
  • tênis ou bota própria para fazer caminhada;
  • calça comprida e roupa apropriada caso queira fazer alguma trilha no meio do mato;
  • boné ou chapéu;
  • óculos escuro;
  • repelente;
  • protetor solar.

Como chegar em Silvania e no 5ta Saroco a partir de Bogotá

Silvania fica na direção Sul de Bogotá. Para chegar no 5ta Saroco de Bogotá você tem três opções:

  1. Alugar um carro.
  2. Contratar um transporte particular
  3. Ir de transporte público:
    1. Pegue ônibus até o Terminal Salitre.
    2. De 1h em 1h sai ônibus para Silvania que custará cerca de $15.000 COP por pessoa.
    3. Pare na La Embajada Paisa
    4. Combine com um transporte particular para te buscar ali. É importante combinar antes, até porque a subida precisa ser com um carro 4×4. O trajeto será por volta de $30.000 COP o carro.

Nós optamos por ir de transporte público, até porque é uma forma de chegar no terminal mais rápido já que a Colômbia é o terceiro país do mundo com maior trânsito, mas com a vantagem de ter os ônibus (Transmilenio) com corredores próprios que funcionam super bem e vai bem rápido. 

Faça a sua reserva no 5ta Saroco

Booking.com

Essa é uma viagem ideal para quem ama a natureza, quer aprender mais sobre iniciativas ecológicas ou quer simplesmente descansar e se recuperar do ritmo acelerado que muitas viagens têm. Aproveite a sua estadia!

Se você gostou desse projeto de turismo sustentável vai gostar também de conhecer esses projetos ecológicos no Brasil.

1 comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Renata
Renata G. Ferreira
Perfil
Close

Por um Recomeço

Por Renata G. Ferreira

Por um Recomeço © Copyright 2022. Todos os direitos reservados.
Close